quinta-feira, 28 de julho de 2011

As maiores vítimas das hepatites B e C são homens

A maioria das vítimas de hepatites B e C no país são homens, segundo levantamento divulgado hoje (28) pelo Ministério da Saúde. Nos últimos dez anos, mais da metade dos casos desses dois tipos da doença atingiram o sexo masculino.

De 1999 a 2010, foram identificados 69.952 casos de hepatite C, sendo 42.342 em homens. A faixa etária entre 40 e 59 anos concentrou 54% das notificações.

No Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, o ministério também divulgou estudo de prevalência das hepatites A, B e C nas capitais e no Distrito Federal.

De acordo com o estudo, 39,5% da população nas capitais tiveram ou têm o tipo A da doença, transmitida por água e alimentos contaminados pelo vírus. O percentual de hepatite B foi 0,37% e 1,38% do tipo C, ambos transmitidos por meio de sangue ou secreções contaminadas.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, os dados reforçam a importância do acompanhamento e da prevenção das hepatites virais. “Esse inquérito [estudo] oferece uma projeção da situação do Brasil, mas reforça a importância de criarmos o acesso ao diagnóstico e ao tratamento. O mapeamento nas capitais foi muito importante, porque apresenta dados atualizados do Brasil inteiro. A partir desses dados, podemos construir outros estudos sorológicos.”
.
Conforme o levantamento, nas capitais a incidência do tipo B é dez vezes maior entre as pessoas de 20 a 69 anos. Isso mostra que as relações sexuais sem o uso de preservativos têm sido a principal forma de contágio. Entre crianças e adolescentes, a prevalência é menor, segundo o ministério, por causa da vacinação contra a doença.

Quanto à hepatite C, é mais prevalente nas capitais da Região Norte e menor nas do Nordeste . No Centro-Oeste, Sudeste e no Sul, a taxa é semelhante. Esse é o tipo mais agressivo da doença. Se não diagnosticado e tratado precocemente, aumenta o risco de agravar a saúde do paciente, podendo resultar em uma cirrose ou câncer hepático.

A pesquisa nas capitais e no DF ouviu 26 mil pessoas, entre 5 e 69 anos. Do total, 6.468 fizeram teste de hepatite A e 19.634 dos tipos B e C.

Agência Brasil

2 comentários:

  1. Ola, eu nao tenho comentario, mas somente quero tirar uma duvida sobre Hepatite A, B e C. Qual diferencas Hepatite A, B e C? Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    A hepatite A é uma doença aguda do fígado causada pelo vírus HAV. Esse tipo de hepatite dura de algumas semanas até alguns meses e não resulta em infecção crônica. A transmissão da hepatite A decorre da ingestão de material fecal, mesmo em quantidade microscópica, alimentos e bebidas infectadas, e do contato próximo com pessoa infectada. A vacina para hepatite A é recomendada a todas as crianças a partir de 1 ano de idade.
    A hepatite B é uma doença do fígado causada pelo vírus HBV. Esse tipo de hepatite varia de gravidade, indo de doença moderada, que cura em algumas semanas (aguda), até doença séria de longo prazo (crônica), que pode resultar em câncer no fígado. A transmissão da hepatite B se dá por contato com sangue, sêmen e outros fluidos corporais infectados ao ter relações sexuais com pessoa infectada, compartilhamento de agulhas e drogas injetáveis, e de mãe para bebe recém-nascido. A vacina para hepatite B é recomendada a todas as crianças, e adultos sob risco de contaminação pelo HBV.
    A hepatite C é uma doença no fígado causada pelo vírus HCV. Esse tipo de hepatite algumas vezes resulta em doença aguda, porém ela geralmente é crônica e pode levar a cirrose e câncer no fígado. A transmissão se dá pelo contato com sangue de pessoa infectado, geralmente ao compartilhar agulhas e drogas infectáveis. Não existe vacina para a hepatite C.
    Espero ter respondido sua pergunta. Volte sempre, Abraços.

    ResponderExcluir

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.