sexta-feira, 29 de julho de 2011

Edir Macedo pede a fiéis que abandonem mídia. The Guardian ironiza

Ilustração O pedido do bispo Edir Macedo para que os fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus abandonem a mídia brasileira nos primeiros 21 dias de agosto repercutiu na imprensa internacional.

O jornal britânico The Guardian destacou de forma irônica, na quinta-feira 28, declarações do blog de Macedo, nas quais ele diz que “televisão, internet, jornais, rádios e revistas não são divinas” e que os fiéis deveriam abandonar a mídia e se “aproximar de Deus”. A publicação ainda define o bispo como “um dos mais poderosos televangelistas da América do Sul, pregador bilionário e magnata da mídia”.

Segundo o Guardian, a atitude de Edir Macedo, que controla emissoras de televisão, rádio e um portal de notícias da Rede Record, não é inédita. Em outros dois momentos ele chamou os cerca de oito milhões de fiéis da Universal em todo o mundo a boicotarem a mídia: em ambos a igreja estava sendo criticada pela imprensa brasileira.

Em julho, foi veiculado na internet um vídeo no qual um pastor da igreja pede a um menino de nove anos que venda seus brinquedos e doe o dinheiro à Universal, enquanto sua mãe passava por um exorcismo no altar.

Tática

O jornal afirma também que essa seria uma estratégia para evitar que os fiéis acompanhem a Rede Globo, enquanto poderão ter acesso a programas, serviços religiosos, portais, rádios e discos da Rede Record, além do jornal da igreja, a Folha Universal.

Por: Carta Capital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.