terça-feira, 4 de outubro de 2011

Placa na USP chama golpe militar de “revolução de 1964”

Uma placa que indica a construção de um monumento para homenagear os mortos e desaparecidos da ditadura militar causa polêmica na Universidade de São Paulo (USP) ao chamar o golpe de "revolução de 1964". Localizada na Cidade Universitária da USP, a obra é uma parceria entre a instituição e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência e tem um custo de R$ 89 mil, com patrocínio da Petrobras. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O termo "revolução" é usado por militares, que negam que tenha ocorrido uma ditadura no País. "Considero o termo utilizado um absurdo. Farei contato com o reitor para mudar imediatamente a inscrição", disse a ministra Maria do Rosário. Na tarde de segunda-feira, o termo "revolução" foi riscado e a palavra "golpe" foi escrita. A reitoria da USP diz que houve falha na confecção e que o "erro será corrigido o mais rápido possível".

Por: Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.