quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Uma vez tucana, nem sempre tucana

Patrícia Amorim, presidente do Flamengo, troca o PSDB pelo PMDB. Quem diria, até a camisa do clube ela mudou por causa do ex-partido.

O imã da base governista é mesmo poderoso. Nem a presidente do Clube de Regatas Flamengo, Patrícia Amorim, apaixonada tucana carioca resistiu. Antes do fim da janela de troca partidária, que se encerra na sexta-feira 7, Patrícia Amorim deixou o PSDB e filiou-se ao PMDB do vice-presidente Michel Temer e do governador do Rio, Sergio Cabral.

Quem não se lembra da força que Patrícia Amorim tentou dar a José Serra e ao PSDB nas eleições presidenciais do ano passado? Obrigou até o Flamengo, time de maior torcida do Brasil ao lado do Corinthians, a entrar em campo no Brasileirão com um inexplicável uniforme azul e amarelo, no lugar do tradicional vermelho e preto, com a desculpa que eram as primeiras cores utilizadas pelo remo do clube.

Nada como uma eleição após a outra.

Por: Carta Capital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.