terça-feira, 8 de novembro de 2011

Dilma promete melhor gestão na saúde e defende mais recursos

A presidente Dilma Rousseff garantiu nesta terça-feira que o governo federal buscará aperfeiçoar a gestão na área de saúde e defendeu a necessidade de mais recursos para o setor.

As declarações de Dilma, durante o lançamento dos programas Melhor em Casa e SOS Emergência, ambos para a saúde, vêm em um momento em que tramita no Senado a regulamentação da Emenda 29, que estabelece gastos mínimos para a saúde nos três níveis de governo.

A regulamentação aprovada na Câmara em setembro não prevê a criação de um novo imposto com arrecadação voltada à saúde, proposta que chegou a ser ventilada para aumentar o financiamento da área, nos moldes do que ocorria com a extinta CPMF.

"Nós devemos ter a coragem e a humildade de admitir que parte dos problemas pode ser resolvida com o que já temos. É óbvio que precisamos mais, ninguém faz um sistema de saúde para 100 milhões de pessoas sem recursos financeiros. Mas, com o que já temos, nós podemos fazer mais", disse Dilma.

A presidente afirmou que uma melhor gestão no setor deve ser buscada, até para demonstrar a necessidade de mais recursos para financiar o Sistema Único de Saúde (SUS).

"Tracei uma orientação bem clara. Fazer mais agora com o que temos e não ficarmos de braços cruzados esperando que os recursos caiam do céu. Vamos fazer por onde com o que temos e nos assegurar, e mostrar que isso é um exemplo para as necessidades de melhoria de recursos para a saúde pública do país", afirmou.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro; Texto de Eduardo Simões; Edição de Eduardo Simões)

Por: Reuters Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.