quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Presidente do Supremo defende Lewandowski em caso do CNJ

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, defendeu hoje (21) o colega de Tribunal Ricardo Lewandowski, que suspendeu uma investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o enriquecimento de juízes. Peluso afirma, por meio de nota, que “repudia insinuações irresponsáveis” de que o ministro agiu em benefício próprio.

Lewandowski e Peluso são apontados pelo jornal Folha de S.Paulo como beneficiários de uma suposta verba indevida distribuída a desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), na época que integravam a corte. Esse seria um dos motivos da devassa iniciada pela Corregedoria do CNJ em 22 tribunais do país.

“Em conduta que não surpreende a quem acompanha sua exemplar vida profissional, o ministro Lewandowski agiu no estrito cumprimento de seu dever legal e no exercício de suas competências constitucionais. Inexistia e inexiste, no caso concreto, condição que justifique suspeição ou impedimento da prestação jurisdicional por parte do ministro Lewandowski”, argumenta Peluso.

O presidente do STF e do CNJ lembra ainda que os ministros da Corte não podem ser investigados pela Corregedoria do CNJ, já que o órgão não tem jurisdição sobre o STF. Também chama de “covardes” os vazamentos de dados contra os ministros. “A questão pode assumir gravidade ainda maior por constituir flagrante abuso de poder em desrespeito a mandamentos constitucionais, passível de punição na forma da lei a título de crimes”.

Por: Último Segundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.