domingo, 12 de fevereiro de 2012

O ovo da serpente

Por: Cynara Menezes, no CartaCapital 

PM-250x300O governador da Bahia, Jaques Wagner, precisava mostrar autoridade contra os policiais militares em greve que ocupavam a Assembleia Legislativa do estado há nove dias. E mostrou. Encurralados após a divulgação de uma conversa gravada em que o principal líder do movimento incitava a atos de vandalismo, os grevistas receberam o recado claramente: ou deixavam o prédio ou seriam retirados à força pelos soldados do Exército e da Força Nacional que cercavam a Assembleia. Preferiram sair.

A população atemorizada, o número de homicídios em crescimento a cada dia, a suspeita de participação de policiais nos ataques a ônibus e até em mortes, a possibilidade cada vez mais próxima da não realização do carnaval e, sobretudo, a perspectiva de que a greve se espalhasse País afora deixaram o Brasil inteiro sob suspense. Aparentemente finda a crise, permanece a sensação de que se trata de uma solução momentânea, um paliativo. Algo vai mal na segurança pública e não só na Bahia.

Apesar de teoricamente vedadas pela Constituição – alguns advogados interpretam de forma diferente –, já aconteceram neste ano greves de PMs no Ceará e Pará. Segundo especialistas, desde 1997 foram mais de 300 paralisações de agentes de segurança pública no Brasil. Além da gravação que resultou na prisão do principal líder da greve baiana, o ex-PM Marco Prisco, e do policial Antonio Angelini, foi divulgada uma conversa entre a deputada estadual Janira Rocha (PSOL-RJ) e o cabo bombeiro Benevenuto Daciolo, que comprovou a intenção dos policiais de fazerem uma paralisação de caráter nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.