terça-feira, 29 de maio de 2012

Software aponta que Gilmar mentiu

O laudo de uma perícia em análise de frequência de voz aponta trechos “fraudulentos e suspeitos” na entrevista do ministro Gilmar Mendes veiculada nesta segunda-feira (28) pelo canal “GloboNews”, sobre um encontro seu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na edição do último domingo (27), a revista Veja publicou reportagem em que o ministro Gilmar Mendes relata um suposto encontro entre ele, Lula e o ex-ministro Nelson Jobim no dia 26 de abril.

Segundo Mendes, o ex-presidente teria insinuado que poderia protegê-lo na CPMI do Cachoeira, que investiga a relação entre políticos e agentes públicos com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, em troca do adiamento do julgamento dos envolvidos no mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal). O escândalo do mensalão, que deve ser julgado em agosto próximo, envolveu pagamentos a parlamentares da base aliada do então presidente Lula em troca de aprovação de projetos no Congresso Nacional.

Análise de voz aponta fraudes na fala de Gilmar Mendes

No: Uol

2 comentários:

  1. a única coisa que este sr. chamado Gilmar Mendes faz, é envergonhar os juristas brasileiros.
    Este sujeito dá nojo.

    Mauro Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mauro,
      Obrigado pela visita e comentário. Realmente esse indivíduo chamado Gilmar Mendes deveria estar é preso, em vez de ocupar a mais alta Corte do País.
      Aliás esse raciocínio se aplica à maioria dos personagens que ocupam cargos de poder no Brasil, mas creio que as coisas ainda vão mudar. A população está ficando mais informada.
      Esteja a vontade para novos comentários e volte sempre!
      Abraços,
      Eliseu.

      Excluir

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.