terça-feira, 1 de maio de 2012

Tucanos se apavoram e tentam esconder "matrimônio" de dez anos com a Delta Construções

Por DiAfonso*

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin [PSDB - SP], corre contra o tempo na tentativa de apagar possíves rastros maléficos nos contratos da administração estadual com a Delta Construções. A empreiteira é investigada por suspeita de fraudes, além de ser um dos alvos da CPMI em que estão no olho do furacão o "ético" Demóstenes Torres [sem partido - GO]] e o contraventor [eufemismo de ladrão e gangster] Carlinhos Cachoeira.

Segundo levantamento feito pela bancada do PT no TCE e no Diário Oficial, o governo do estado de São Paulo jogou, nos cofres da Delta, algo em torno de R$ 775 milhões nos últimos dez anos. Anotem aí: nos últimos dez anos!

O interessante é que, nesse período, passaram pelo Palácio dos Bandeirantes [sede do governo paulista] o próprio Alckmin [2003-2006], o também tucano José Serra [2007-2010] e... de novo Geraldo Alckmin [2011-até os dias de hoje].

Evidente que só as investigações poderão apontar se houve malfeitos ou não, durante a vigência dos contratos celebrados entre os governos tucanos de Alckmin-Serra-Alckmin e a Delta Construções. 

Se tiver havido, uma coisa deve-se pontuar como líquida e certa: tucanos e mídia golpista não terão como pôr o débito na conta do PT.

Ou será que vão arrumar um jeitinho para dizer que quem governou São Paulo, no período de 2003-2010, foi o PT? 

Tudo é possível, tudo é possível com a mídia corporativa acumpliciada com gangsters e malfeitores. A Veja está aí para não me deixar mentir.

Da redação com informações da Agência Globo.

*Editor-geral do Terra Brasilis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.