sábado, 16 de junho de 2012

Cachoeira não quer continuar hospedado na “Papuda”

Por: Eliseu

A despeito dos “ratos” que estavam atolados na lama proporcionada pela Cachoeira da podridão da operação denominada pela Polícia Federal de Monte Carlo, o rato-chefe continua a se debater e se esgueirar pelas brechas do nosso cego judiciário na tentativa – que certamente será bem sucedida – de se mandar de sua hospedagem gratuita que vem se utilizando dede fevereiro deste ano.

De acordo com Jornal do Brasil, a defesa do bicheiro, fraudador e corruptor de políticos Carlinhos Cachoeira entrou neste sábado com um novo pedido de liberdade, desta vez no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). Segundo informações da assessoria do tribunal, o desembargador de plantão Sérgio Bittencourt deve decidir sobre pedido ainda hoje. O pedido de habeas corpus é referente à Operação Saint Michel.

Ontem, o desembargador Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, concedeu liberdade a Cachoeira em extensão ao habeas corpus concedido ao empresário José Olímpio Queiroga. O bicheiro, no entanto, não foi solto porque havia outro mandado de prisão contra ele, o da Operação Saint Michel.

A investigação, da Polícia Civil do Distrito Federal, é um desdobramento da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, e apura uma suposta tentativa do grupo comandado por Cachoeira para fraudar licitações de bilhetagem eletrônica no sistema de transportes de Brasília e entorno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.