domingo, 2 de setembro de 2012

Mau cheiro!

Por: Maurício Dias, no CartaCapital

coleta-de-lixoA coleta de lixo nas cidades tornou-se a mais nova fonte de formação de caixa 2 para campanhas eleitorais. Principalmente, mas não unicamente, nas eleições municipais como as que ocorrerão este ano. Entre 1990 e 2000, a população brasileira aumentou 16%. E o lixo, com a inclusão social ocorrida no período, cresceu 45%.

O artigo 30, inciso V, da Constituição determina ao poder público municipal a  responsabilidade pela limpeza urbana e pela coleta e destinação do lixo. Especialistas estranham essa inclusão do saneamento no texto constitucional.

Alguém botou o jabuti nessa forquilha. As prefeituras passaram a terceirizar tais serviços de uma maneira geral, pelo prazo de quatro anos. Não por acaso, um período coincidente com o mandato dos prefeitos.

Em seguida, com os aterros sanitários e os lixões, chegou-se rapidamente ao  superfaturamento. Cidades com 2 mil toneladas/dia de lixo só para lançar no aterro pagam algo em torno de 70 reais por tonelada. No Brasil, uma pessoa produz, em média, 700 gramas de lixo por dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.