terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um manifesto contra a presunção de culpa

No: Carta Maior 

José DirceuO risco de um julgamento de exceção, pré-concebido para condenar um partido, conforme advertiu o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, em entrevista recente ao jornal Valor, motivou um manifesto que tem recebido a adesão de intelectuais e artistas e deve ser enviado aos ministros do Supremo. O que se reivindica é isenção e equilíbrio.

Entre as duas centenas de personalidades que já assinaram o texto estão: Oscar Niemeyer, Alceu Valença, Luiz Carlos Bresser Pereira, Bruno Barreto, Jorge Mautner, Flora Gil, Emir Sader, Eric Nepomuceno.

Ouvido pelo jornal O Globo, o arquiteto Oscar Niemeyer, um dos primeiros signatários, afirmou: “Assinei o manifesto porque acredito que desde o início há uma campanha contra o José Dirceu”.

2 comentários:

  1. Inadvertidamente Zé Dirceu, desde o desenrolar dos entraves do chamado mensalão - Jefferson o artífice da discórdia - vinha recebendo a culpa da tudo que acontecia. Foi de "cara limpa" ao congresso para se defender --quem o viu defendendo-se sabia a que iria ser levado-- Infelizmente a mente privilegiada sofre as consequências da incompreensão (inveja, talvez). Ao não ser alcançada, a apedreja. Vamos que vamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dan,
      Infelizmente parece que o Brasil ainda vive a Casa Grande e a Senzala.
      Obrigado pelo comentário, volte sempre!
      Abraços,
      Eliseu.

      Excluir

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.