sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Carlinhos Cachoeira de volta à cadeia

Juiz da 11ª Vara Federal de Goiânia acabou com a liberdade provisória do meliante acusado de liderar esquema de corrupção

Por: Eliseu

carlinhos_cachoeiraO facínora, bicheiro, corruptor e detentor de todos adjetivos ligados ao banditismo que o PIG insiste em qualifica-lo como empresário, Carlos Augusto Ramos, mais conhecido pela alcunha de Carlinhos Cachoeira, que é alvo de CPI no Congresso e de investigações da Polícia Federal, após passar 266 dias em “cana” e de um breve período em liberdade voltou a dar com os costados na cadeia.

Carlinhos Cachoeira, o homem que derrubou Demóstenes Torres, ex-DEMo, e que a exemplo de outros “empresários” se achava impune, voltou a ser preso na tarde de hoje (7) em Goiânia depois que o juiz da 11ª Vara Federal da cidade lhe condenou a 39 anos e 8 meses de prisão pelos crimes de peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha.

De acordo com a Rede Brasil Atual, a sentença teve origem nas acusações elaboradas pelos policiais federais que participaram da Operação Monte Carlo. Até então,  Cachoeira encontrava-se em liberdade provisória, esperando a sentença, pois um habeas corpus havia revogado a prisão preventiva que o manteve atrás das grades entre fevereiro e novembro deste ano.

O bicheiro é apontado como cabeça de um esquema baseado no jogo ilegal que, mais tarde, se expandiu para desvio de recursos públicos e ligações obscuras com setores da imprensa e da política nacional, a revista Veja e o ex-senador do DEM Demóstenes Torres, que acabou sendo cassado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.