segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

PSDB lança Aécio Neves como candidato à presidência em 2014

No: CartaCapital 

Aécio-NevesO presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso lançaram o senador Aécio Neves (PSDB-MG) como candidato à presidência da República em 2014. Aécio, porém, disse ao jornal O Globo que ainda é cedo para assumir essa condição.

Em entrevista ao UOL e à Folha de S. Paulo, concedida na última sexta-feira e publicada nesta terça 3, FHC disse que Aécio já deveria se assumir como candidato à presidência da República. Guerra, por sua vez, disse ao jornal O Globo que ele deve ser presidente do partido a partir de 2013 e candidato em 2014. “Não estamos diminuindo ninguém, mas Aécio é o candidato que o PSDB tem para presidente da República,” diz Guerra.

Ao O Globo, Aécio disse não querer antecipar etapas. “Não vou antecipar etapas, porque não acho que seja produtivo (….) Antes de ser candidato a presidente da República, temos que apresentar ao Brasil uma nova agenda para os próximos 20 anos.”

Aécio vem sendo cogitado como presidenciável do PSDB há anos e muitos dentro do partido esperam que a derrota de José Serra nas eleições municipais deste ano em São Paulo abram espaço para o político mineiro. Em 2010, Serra foi o candidato do PSDB (derrotado pela presidenta Dilma Rousseff) e Aécio conquistou uma vaga no Senado por Minas Gerais, Estado que governou por oito anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.