sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

“O Brasil só ficará pacificado consigo próprio quando Lula estiver livre”, diz Amorim

Segundo ex-chanceler, que visitou o ex-presidente em Curitiba, Lula está acompanhando a realidade internacional. Amorim fez a visita ao lado de José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça de Dilma

No: Rede Brasil Atual

lula_amorim_cardosoOs ex-ministros Celso Amorim e José Eduardo Cardozo visitaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final da tarde de hoje (10), em sua cela em Curitiba, onde está preso desde 7 de abril do ano passado. Para Amorim, “o Brasil só ficará pacificado consigo próprio quando Lula estiver livre”. Ele se disse “consolado por vê-lo muito bem disposto, acompanhando tudo, acompanhando no que me diz respeito, a realidade internacional”.

De acordo com o ex-chanceler, ele discutiu com o ex-presidente a realidade internacional, a importância da defesa da soberania nacional associada à democracia, a defesa dos interesses brasileiros, como os representados pela Embraer, a Petrobras, a integração da América Latina e América do Sul.

“Fiquei muito impressionado com o Lula. Primeiro, porque ele está num estado de saúde muito bom. Eu estava preocupado com isso, não tinha conseguindo vir aqui ainda. Ele está com uma energia interior que só os grandes estadistas possuem", disse Cardozo. "Talvez as pessoas que não tenham o privilégio de serem grandes líderes, estadistas, jamais possam entender isso.”

De acordo com o ex-ministro da Justiça no governo Dilma, apesar da condenação injusta, sem provas, contra a Constituição e a lei, o ex-presidente está com “estado de espírito e disposição para continuar lutando”. “Se pensam que ele está abatido, alquebrado, pelo contrário, ele continua sendo o velho Lula guerreiro de sempre.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.