quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Marina explica por que não morreu: a mão de Deu

No: Terra Brasilis 
marina

A explicação de Marina Silva para não estar no voo que  causou a trágica morte de Eduardo Campos é muito infeliz. Dizer que foi a “mão de Deus” que  a salvou nos faz pensar que a mesma mão de Deus matou Eduardo Campos, para que ela fosse a candidata. Que Deus é esse de Marina Silva, que mata pessoas inocentes só para que ela seja candidata? Messianismo exacerbado não é bom para ninguém, não é bom para o Brasil nem para os brasileiros. Misturar política e religião nunca deu certo em nenhum lugar do mundo e em nenhum momento da história.

Jussara Seixas [coeditora do Terra Brasilis - São Paulo]

Aécio não explicou o inexplicável no Jornal Nacional

No: Terra Brasilis 

Por Paulo Nogueira*

aecio_aeroporto_jn

O aeroporto de Cláudio é um inferno na vida de Aécio.

Foi o que se viu hoje, mais uma vez, na entrevista que ele concedeu ao Jornal Nacional.

Aécio não tem explicação porque ela, simplesmente, não existe. O aeroporto foi um uso abjeto de dinheiro público para benefícios privados da família. Como escreveu Machado, alegrias particulares são bem mais satisfatórias que alegrias públicas.

Ele se agarra desesperadamente à desculpa de que seu erro foi ter usado um aeroporto não homologado pela ANAC, a agência que regula a vida área nacional.

E aproveita para dizer que a ANAC foi incompetente ao demorar para a homologação porque está “aparelhada” pelo PT.

Não, não e ainda não.

O problema não é burocrático, e sim ético e moral. Aécio usou o aeroporto de Cláudio porque facilita substancialmente suas viagens para seu “Palácio de Versalhes”. É como ele se refere à sua fazenda em Cláudio, a 6 km do aeroporto.

Não é só isso. Existe também o ponto da valorização das terras da região por conta do aeroporto.

Isso beneficia Aécio diretamente, e a sua família.

Ele invoca em sua defesa a desapropriação litigiosa de parte da fazenda do tio para a construção do aeroporto.

O tio quer mais na justiça do que Minas deseja pagar. Na fala treinada de Aécio, o tio aparece quase como uma vítima.

Mas um momento. E a valorização do restante da fazenda?

Bonner perguntou isso, no melhor momento da entrevista do Jornal Nacional.

Aécio tergiversou. Respondeu com a metragem da fazenda: 30 alqueires. Ora, 30 alqueires podem valer x ou, alguns x, caso um benefício como um aeroporto irrompa na região.

Aécio também sofreu para responder a uma pergunta de Patrícia Poeta sobre o desenvolvimento social de Minas.

O IDH de Minas é o pior do Sudeste. Era o oitavo do Brasil, e agora é o nono.

E então, onde os avanços sociais tão trombeteados?

Nova tergiversação.

Aécio falou, como sempre tem falado, no suposto avanço em educação.

Agora que os brasileiros vão conhecendo-o melhor, vai ficando clara a semelhança entre ele e Maluf na compulsão cínica em responder a perguntas de uma forma peculiar em que você vai falando coisas que nada têm a ver com a questão.

Aécio tem agradecido aos entrevistadores quando indagam sobre o aeroporto. Fez isso na sabatina do G1 e voltou a fazer no Jornal Nacional.

Mas é um agradecimento tão fajuto quanto suas explicações para a aberração que é o aeroporto de Cláudio.

*O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Marina!

Por: Eliseu

marina_silvaComo já era esperado desde o acidente que vitimou o candidato à Presidência da República Eduardo Campos, sua vice de chapa, Marina Silva “aceitou” substituir Campos na disputa eleitoral.

E também como já era de se esperar, Marina Silva na sua ânsia pelo poder, sua falta de ética e moral sequer esperou o sepultamento de Eduardo Campos. Já no sábado (16) o jornal online Folha Vitória e o restante da mídia anunciava que Marina Silva tinha aceitado concorrer à Presidência da República em substituição à Campos. À noite, o Jornal Nacional de William Bonner também anunciava com satisfação o “aceite” de Marina.

De acordo com o jornal online, a candidata à Vice-Presidência da República Marina Silva aceitou ser cabeça de chapa da coligação Unidos para o Brasil, em substituição ao ex-governador de Pernambuco  Eduardo Campos (PSB), que morreu quarta-feira (13). O presidente do PSB, Roberto Amaral, foi à casa de Marina para saber se ela autorizava uma consulta ao partido sobre a candidatura dela ao cargo. Ainda de acordo com o jornal online o líder do PSB na Câmara dos Deputados, Beto Albuquerque (RS), a ex-ministra aceitou que seja feita a consulta para saber se o partido concorda com sua candidatura à Presidência da República em substituição a Campos. Beto Albuquerque confirmou que Marina disse sim à consulta e que aceita disputar a presidência pela coligação formada pelo PSB, PPS, PPL, PRP, PHS, além da Rede Sustentabilidade, este último criado por Marina Silva com assinaturas que não puderam ser autenticadas, - ou falsas - e que por esse motivo ainda não tem registro.

Nada de errado em Marina Silva ter aceitado substituir Eduardo Campos, mas seria de bom tom que ela esperasse pelo menos seu sepultamento, em respeito à família.

Pela conduta de Marina que demonstra verdadeira sede pelo poder e com o mafioso corrupto Aécio Neves na disputa dá para ter uma prévia do que virá pela frente. Aguardemos. Há… e que esse acidente seja investigado direitinho. Estranho a caixa-preta da aeronave não ter registro de áudio!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Eduardo Campos: informativo!

Por: Eliseu

eduardo_camposEsse blogueiro informa que o “silêncio” atual, com a interrupção das postagens se deve ao falecimento do candidato à Presidência da República Eduardo Campos, amplamente divilgado pela mídia.

Como é de conhecimento dos leitores, esse blog é essencialmente político, seu editor não é apolítico, muito pelo contrário tem convicção clara, firme, de tendência esquerda e defende com garra esse posicionamento, o que continuará a acontecer.

Entretanto, com o trágico acidente que culminou com a morte de Eduardo Campos, sua comitiva, a tripulação, e também com ferimentos em vários moradores das residências atingidas pela aeronave, informo que em respeito às famílias de Eduardo Campos e dos “anônimos” que foram vitimados, O Carcará não fará qualquer postagem de cunho político até o enterro de Eduardo Campos.

Como já foi dito acima, o blog que é essencialmente político deverá ficar “silenciado” até lá. Depois voltaremos ao debate, as eventuais críticas, e tudo mais com o substituto do mesmo e os demais candidatos.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Tancredo Tolentino: As Ligações Perigosas do Tio do Aécio Neves

Eis o jornalismo revelador do Cumpadi Giovani de Morais que a Globo e a grande mídia golpista não se dignam a fazer quando seus interesses - não tão escusos assim - estão ameaçados. Vale a blindagem de uma classe política que joga contra o Brasil, como há mais de quinhentos anos o povo brasileiro tem visto e sofrido os efeitos das ações nocivas dessa elite nojenta e nefasta. [Por Diafonso]

No: Terra Brasilis 

Esta reportagem do Fantástico foi ao ar em 22/04/2012. O foco da reportagem é o desembargador Hélcio Valentim que teria vendido sentenças para libertar traficantes de cocaína em Minas Gerais. Na mesma reportagem, aparece Tancredo Tolentino - Tio do Aécio Neves - e ex-proprietário das terras onde foi construído o recém famoso aeroporto da cidade de Cláudio. Este Aeroporto foi construído durante o Governo Aécio Neves com verbas estaduais e custou 13,9 milhões de reais. Na reportagem, Tancredo Tolentino intermedeia um esquema de propinas para a libertação, por meio de Habeas Corpus, de suspeitos de tráfico de cocaína com base na cidade de Cláudio/MG.
Observem que a reportagem não fala em nenhum momento do parentesco de Tancredo Tolentino com o atual candidato a Presidente do Brasil Aécio Neves.
Neste mato tem coelho e o coelho é grande!!! Quase um abominável coelho das Neves!!!

Assistam e tirem suas próprias conclusões!

NO Cachete, do cumpadi Giovani de Morais

domingo, 10 de agosto de 2014

O discurso de Eduardo Campos: entre a exploração, a incompetência e a farsa

No: Terra Brasilis

Por: DiAfonso

eduardofilho-vert

Eduardo Campos [PSB-PE] começa a pôr em prática o que muita gente já esperava que fizesse: expor seu filho, portador da síndrome de down, como forma de sensibilizar o eleitorado. A imagem não deixa dúvidas de que isso tem fundo de verdade, haja vista não ser necessário sua esposa, Renata Campos, posar ao lado do candidato com o bebê. Dirão que o evento está relacionado à infância, à criança, ao adolescente, ao propósito de combate à mortalidade infantil e à promoção de uma educação de qualidade para parte dessas faixas etárias. Esse compromisso deveria ter sido cumprido em toda a sua gestão... Sabe-se que não foi bem assim, muito pelo contrário...
Mais interessante seria se Eduardo evidenciasse o que foi feito na FUNASE para que aos jovens infratores tivessem sido dadas oportunidades de medidas socioeducativas efetivas e de qualidade. Entretanto ele não engendrou este tipo de discurso por não ter nada a mostrar.
Como se sabe, o seu governo foi denunciado por descaso nas unidades da Funase pela deputada Terezinha Nunes [PSDB-PE], hoje aliada de primeira hora do ex-governador [Leia aqui].
É público e notório que o governo Eduardo Campos também foi denunciado ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, na Suíça, por organizações como Fundação Abrinq, ANCED, CENDHEC e GAJOP pelo descaso com que a gestão "socialista" tratou "a reeducação de jovens infratores, descumprindo compromissos e deixando de responder a recomendações, inclusive tornando Pernambuco líder em homicídios de jovens dentro das unidades socioeducativas" [Leia aqui].

sábado, 9 de agosto de 2014

Política não é marketing

O horário eleitoral transforma candidatos em bonecos, manipulados pelo conceito de que vale mais saber dizer do que dizer

Por: Mauricio Dias, no CartaCapital 

marketing-polc3adticoA crença vigente no universo político e entre os publicitários é a de que a campanha presidencial começa agora, 19 de agosto, com o início, na televisão e no rádio, do Horário de Propaganda Eleitoral Gratuita, que de gratuita, realmente, não tem nada.

De fato há, até agora, um patamar menor de eleitores com os votos definidos e uma maioria, em porcentuais acima das eleições anteriores, de votos brancos, nulos e indecisos. Esse contingente estaria, supostamente, esperando ver e ouvir para se definir. A propaganda também cria expectativas nos institutos de pesquisa.

Neste momento do horário eleitoral, o comando passa efetivamente aos marqueteiros, cuja crença fundamental é a de que, para conquistar votos, a imagem do candidato é mais importante do que a sigla do partido e do que o programa apresentado como guia das ações de governo.

De dois em dois anos, nas eleições presidenciais, entremeadas por eleições municipais, exumam a teoria – “O meio é a mensagem” – do sociólogo Marshall McLuhan, figura que os marqueteiros parecem ter lido demais e entendido de menos.

Há exceções, mas essa é a regra. Em geral, o fantoche manipulado pelo marqueteiro toma o lugar do candidato com ideias e propostas.

Alguns desses profissionais que cuidam dos candidatos, chamados há tempos de “telepolíticos”, devem ter lido também Nicolau Maquiavel, quando ele diz, dirigindo-se ao “Príncipe”: “Os homens em geral julgam antes com os olhos do que com as mãos (...) Todos veem o que aparentas por fora, poucos percebem o que há por dentro, e esses poucos temem a opinião dos muitos”.

O marqueteiro, não o candidato, entra em cena na televisão e no rádio. A regra básica a partir daí é esta: o contingente substitui o conteúdo. A forma de dizer é mais importante do que a consistência do dizer.

Essa troca de papéis levou às alturas o custo da eleição. Mas não se trata somente do custo financeiro. O horário gratuito e os chamados spots, também conhecidos como torpedos, são cada vez mais valiosos.

Há 100 minutos diários na televisão e 100 minutos no rádio. Esse tempo virou moeda de troca entre os partidos fortes e os fracos. Esses últimos chamados de legendas de aluguel.

Essa proeminência do marqueteiro construiu um princípio nebuloso ao processo eleitoral. O princípio de que as mesmas leis que se aplicam à política são aplicáveis ao marketing.

Certos políticos, mesmo os não maleáveis como mamulengos, e são poucos, correm o risco de cair nessa armadilha. E assim, de eleição em eleição, a televisão e o rádio se fortificam com um tônico milagroso: o dinheiro. E se embebedam do que acreditam ser as armas absolutas para convencer o eleitor.

As lições dos marqueteiros, ensinadas aos políticos, não passam de um sermão de generalidades.

Solidariedade ao jornalista Ricardo Antunes e contra a censura prévia do TJ/PE

No: Terra Brasilis | Publicação original em 2/8/2014

Publicado, em 25/10/2013, Por Mário Augusto Jakobskind

Ricardo_Antunes

“A Comissão da ABI de Defesa da Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos solidariza-se com o jornalista pernambucano Ricardo Antunes, que está sendo vítima de cerceamento à liberdade de expressão. Ele foi censurado em seu blog, preso e acusado de chantagear quem ele denunciou, ou seja, o empresário e marqueteiro José Antônio Guimarães Lavareda Filho.

A acusação foi bancada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco, que o proibiu de escrever qualquer coisa sobre o empresário e quatro empresas de sua propriedade, inclusive impedindo-o de se defender das acusações. E no caso de que não cumpra a determinação pagará uma multa de cinco mil reais por cada inserção jornalística, seja em seu blog Leitura Crítica ou em outro sítio de informação, ou seja, página de internet, e ainda na mídia escrita.

Esse é mais um caso de “judicialização” contra jornalistas que deve merecer o nosso maior repúdio. Se o jornalista eventualmente cometeu algum ilícito deve sofrer as penalidades previstas no código civil. Cercear o seu direito de expressão de pensamento e livre manifestação só mostra o quanto tornou-se perigoso exercer a profissão de jornalista em nosso país. E demonstra cabalmente o quanto os “poderosos” temem uma imprensa livre e independente.

É um fato grave que merece toda nossa indignação e um retrocesso institucional que temos certeza será reparado junto aos tribunais de Brasília. Não existe censura prévia no Brasil.

A Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e dos Direitos Humanos exorta a Justiça pernambucana a suspender imediatamente qualquer tipo de restrição ao jornalista que na prática está impedido de exercer a profissão”.

Rio de Janeiro, 30 de Outubro de 2013

Mário Augusto Jakobskind, presidente da Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da ABI

Fonte: ABI

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Do Palácio das Princesas a ordem para prender Ricardo Antunes

No: Terra Brasilis |Publicação original em 2/8/2014

Publicado em 02/12/2012, por Talis Andrade

ditadura-policial

No dia 3 de outubro último, escrevia o jornalista Ricardo Antunes: “Esta semana, Lavareda jantou com o governador Eduardo Campos, e discutiu o cenário eleitoral local e de outras cidades”. No dia 5, Ricardo foi preso.

Impensável que o banqueiro, empresário e industrial Antônio Lavareda esteve em Palácio e não conversou com o governador a prisão do seu colega de profissão. Lavareda é bacharel em Jornalismo.

Que polícia ousa prender um jornalista no exercício da profissão sem avisar o governador? Principalmente quando esse jornalista era o único que fazia oposição ao governo. Isso num dia “D”, antevéspera das eleições municipais.

Que notícia, avaliada pela polícia em um milhão de dólares, tinha Ricardo Antunes para publicar,  e que poderia ter influência no pleito? Contra o governador Eduardo Campos? Contra o prefeito do Recife, aliado político João da Costa? Contra o candidato do governador e do prefeito o vitorioso Geraldo Júlio? Diz Lavareda que era contra ele.

Não é que aconteceu: sem querer, Ricardo Antunes noticiou a trama da sua própria prisão. Confira.

democracia-apatia-poder-ditadura