sábado, 10 de novembro de 2018

Corregedor abre processo sobre indicação de Moro superministro de Bolsonaro

No: Estadão

sergio_moro_corrupto_corrupçãoO corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, decidiu nesta sexta-feira (9) pedir explicações ao juiz federal Sérgio Moro sobre a sua escalação para comandar o superministério da Justiça no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Moro terá 15 dias para apresentar esclarecimentos sobre a indicação, alvo de contestações no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apresentadas pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, por deputados federais e senadores do Partido dos Trabalhadores e por um morador do Paraná chamado Benedito da Silva Junior.

As diversas contestações foram todas reunidas em um mesmo processo, “visando a evitar a repetição de atos processuais, causando demora indevida na tramitação e desperdício de recursos humanos e materiais”, segundo o corregedor. Por determinação de Martins, o caso tramitará sob segredo de Justiça.

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia afirma que Moro violou a Constituição Federal e o Código de Ética da Magistratura ao tratar sobre a ida ao governo Bolsonaro ainda durante o exercício da magistratura.

Os parlamentares do PT, por sua vez, acusam Moro de “parcialidade” e de utilizar a sua posição na sociedade para “interferir de maneira indevida no processo eleitoral, sempre com o viés de prejudicar o Partido dos Trabalhadores e suas candidaturas”.

“A aceitação do cargo político coroa o que sempre dissemos sobre o juiz Sérgio Moro comportar-se como ser político, não como magistrado”, sustenta o PT.

O PT também pediu ao corregedor nacional de Justiça que Moro seja impedido de assumir outro cargo público até o CNJ concluir a investigação de sua conduta no episódio. “Os pedidos de medidas liminares serão apreciados após a vinda das informações”, observou Martins em sua decisão.

O CNJ já apura a atuação de Moro em alguns episódios, como a decisão de divulgar parcialmente trecho da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci, a poucos dias do primeiro turno da eleição presidencial deste ano.

DEPOIMENTOS.

A conduta de Moro também é analisada no episódio da liminar concedida pelo desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que determinou a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato.

O corregedor marcou para 6 de dezembro os depoimentos de Moro, Favreto e dos desembargadores João Pedro Gebran Neto e Thompson Flores para tratar sobre o caso. Todos serão ouvidos no mesmo dia, em audiências separadas.

Na última terça-feira (6), Moro afirmou que o convite para ser ministro da Justiça e Segurança Pública não tem “nada a ver” com o processo que envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril em Curitiba (PR).

De acordo com Moro, o processo de Lula foi julgado por ele em 2017, quando “não havia qualquer expectativa de que então deputado Bolsonaro fosse eleito presidente”. Moro disse ainda que, apesar das críticas de petistas, não pode pautar a vida dele “com base em fantasia, em álibi falso de perseguição política”.

“O ex-presidente Lula foi condenado e preso por ter cometido um crime. O que houve foi uma pessoa que lamentavelmente cometeu um crime e respondeu na Justiça”, argumentou naquela ocasião.

Moro também ressaltou na ocasião que políticos dos mais variados espectros políticos foram condenados no âmbito da Lava Jato.

sábado, 13 de outubro de 2018

Fascismo toma conta do Brasil

Não é difícil convencer o pobre de direita que o único plano de Bolsonaro é ferrar com os pobres. Difícil é convencer o pobre de direita que ele é de fato um pobre pé rapado e é quem vai de fato se ferrar.

Por: Eliseu 

bolsonaro_agressao_violenciaÉ de arrepiar ver como a maioria da população brasileira é, e sempre foi “cega” em se tratando de política.Temos uma onda anti-PT que é de enojar. Quem nunca viveu aqui, pensa que o Brasil era o país das maravilhas antes de Lula assumir o poder.

Quero registar uma das várias notícias de fontes extremamente confiáveis, como a senhora Paula Pinheiro Ramos Pessoa Guerra, 37 anos, servidora pública, que na noite de domingo (7), num bar em Recife, foi brutalmente espancada após criticar o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL).

Desde que o ordinário e péssimo navegador que ia buscar especiarias para o Rei de Portugal –outra porcaria de país- errou o caminho e deu com os costados lá pelas bandas da Bahia, que o Brasil é uma verdadeira merda. Sempre espoliado pelos portugueses, que diga-se são mais burros que nós.

Pois bem, já na história recente, o que sempre vimos e vivemos foi a classe abastada cada vez mais abastada, e a classe pobre cada vez mais miserável. Quem adoecesse e não contribuísse com o INPS (hoje INSS), se conseguisse, ia como indigente para um hospital filantrópico, geralmente administrado pela igreja católica e espíritas. Não me lembro de nenhuma igreja evangélica (apesar de sempre faturarem alto em cima dos “fiéis”) manter sequer distribuição de medicamentos. Por falar em medicamentos, quem precisava e não tinha dinheiro tomava chás ou contava com a colaboração de amigos e familiares, ou ainda pedia esmolas. Aposentadoria para deficientes? Oras… Nem pensar! Casa Própria? Coitado! Telefone? Luxo!!!

Após Lula assumir a presidência, de repente tudo muda. Todos passam a ter direito a hospital, pegar medicamentos nos postos de saúde, implantou as UPA’s, SAMU (ainda tem que melhorar, mas nada tinha), construiu milhares de imóveis dignos que o pobre possa pagar, gerou emprego, aumentou a renda da população que chegou a ser acusado publicamente pelo então repórter da Globo Luiz Carlos Prates que “qualquer miserável agora tem carro”. Pobres que jamais pensaram poder fazer um curso superior, fizeram, muitos sem gastar um centavo.

Violência se combate com porrada, diz Jair Bolsonaro

Aí a elite brasileira tomou ódio de Lula. Onde se viu um carpinteiro desfilar de carro ao lado do Dotô! Um pedreiro andar de avião ao lado da madame? Isso é um absurdo. Empregada doméstica ter direitos? Hora para entrar e sair? Onde estamos? Pensaram os da elite. Mas como de otários nada tem, o que fizeram? Terceirizaram o ódio. Passaram o ódio que sentem pelo PT para a pseudo-elite. Aquele pobre que pensa ser rico. Esse é difícil de lidar.

Mas o que estarrece, nessas eleições majoritárias é o ódio que conseguiram transferir aos evangélicos (em sua maioria). O “O Coiso”, de extrema-direita, é simpatizante pela ditadura militar no Brasil (1964–1985) e a defesa das práticas de tortura por aquele regime, consegui o apoio maciço dos evangélicos. Na modesta opinião deste ignorante blogueiro em religiosidade, sempre imaginei que haddados evangélicos passariam a imagem de pessoas a favor da união, da paz dos ensinamentos divinos, etc. Mas, se estão favoráveis a um ditador e torturador, de duas uma. Ou foram corrompidos pelo demo por sentirem-se donos da verdade, ou não são nada do que pregam, salvando as exceções, claro!

Mas alguns que se dizem católicos, também não ficam de fora. Recebi uma mensagem privativa por pessoa que sequer conheço com a foto e os seguintes dizeres: “Me senti ofendida pela falta de respeito ao copo de Cristo”. Um comentário: “Absurdo, o que eles não fazem hein?” Outro comentário: “Nojo. Ridículo demais”

Caso eu não esteja completamente louco, quero descer desse mundo!

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Em jogo, Bolsonaro espanca gays, mulheres e negros

“Derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto”, convida o jogo Bolsomito 2K18. Denúncias podem ser feitas pelo Ministério Público e SaferNet

No: CartaCapital

bolsonaro_agressão_ditadura

“Derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar uma nação da miséria. Esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país. Muita porrada e boas risadas.”

Este é o convite para download do jogo Bolsomito 2K18, desenvolvido pelo BS Studio e disponível na plataforma Steam. No game, o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) espanca feministas, negros, gays e militantes de esquerda.

Segundo os criadores, o jogo é inspirado no atual momento político brasileiro e tem como protagonista “um cidadão de bem que está cansado da crescente corrupção e inversão de valores que abala a sociedade”.

O objetivo do jogador é acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar grande parte da nação, para que defendam e lutem por suas causas terríveis. “No entanto, para chegar nos cabeças da organização, o Bolsomito deverá enfrentar diferentes grupos que tinham como missão defender o povo, mas hoje, nada mais são que marionetes do exército vermelho”, descreve a página do game.

bolsonaro_agressão_ditadura

Jogadores

A reportagem observou boa parte dos comentários feitos na página do jogo e não há críticas ao conteúdo ofensivo da produção. Das 77 análises postadas até o momento da publicação desta nota, 69 eram "muito positivas".

“Um jogo bem opressor. Rende umas 2-3 horas de diversão e boas risadas e trazendo com ele várias figuras brasileiras. Bora salvar esse país lutando contra o exército vermelho! BOLSONARO 2018”, diz um dos jogadores. “AMEI ESSE JOGO! chora comunistas!!! kkkkkkkkkkkkk”, afirma outro. “Só sair dando socos e chutes nos petralhas kkkkkkk (que não deixa de ser o máximo) #Elesim", comemora um terceiro.

Quem se sentir ofendido pela narrativa do jogo podem denunciá-lo ao Ministério Público Federal, pela Sala de Atendimento ao Cidadão. A SaferNet Brasil oferece um serviço de recebimento de denúncias anônimas de crimes e violações contra os Direitos Humanos na Internet, que podem ser feitas pelo site da instituição.

Vergonha de ser brasileiro!

Um país com tamanha beleza e riquezas naturais deveria ser fonte de orgulho para seus cidadãos, certo? Errado. Infelizmente!

Por: Eliseu 

O meu post intitulado O “coiso” e os supostos religiosos foi o ultimo que me justifiquei sobre não gostar de falar sobre religião e vida pessoal. Infelizmente dei-me conta que ambos estão atrelados à política, mais do que eu pensava. Portanto, daqui em diante, ambos os temas serão parte do O Carcará.

bolsonaro_arma_violênciaMesmo sabendo que meu país é povoado por maioria de ignorantes políticos, com alto índice de analfabetos funcionais, aquele indivíduo que sabe ler, até cursou faculdade, mas não sabe interpretar um simples texto, fiquei estarrecido com o primeiro turno das eleições gerais ocorrida anteontem (7).

Um ser indigno, denominado “O Coiso”, racista, homofóbico, misógino e pró-ditadura entre outros, Bolsonaro seduziu setores importantes da sociedade brasileira. A ruralista já era esperada, assim como o empresariado e a classe dominante em geral. Mas a grande surpresa ficou por conta dos evangélicos, em sua maioria.

O importante jornal francês Libération mencionou “O Coiso” em uma reportagem de 5/10, sobre o que o candidato de extrema-direita disse ao programa “Roda Viva”, TV Cultura de 30/7: Libération reproduz uma das polêmicas declarações de Bolsonaro, durante o programa:

"O português nem pisava na África. Foram os próprios negros que entregavam os escravos". "O homem que disse isso será talvez o próximo presidente de um país de mais de 200 milhões de habitantes", escreve a repórter. "Essa enormidade negacionista e racista é apenas uma das numerosas provocações de um personagem que vimos aparecer no cenário político brasileiro sem levar muito a sério, antes de assistirmos assustados à sua ascensão", reitera a matéria.

O jornal explica que no desenrolar de suas "aparições públicas desastrosas, esse nostálgico da ditadura militar - que Bolsonaro rebatizou de Revolução de 1964 -, seduziu uma grande parte do eleitorado”. Libération lembra que a campanha teve diversos episódios – “como a prisão e a impossibilidade de Lula de participar das eleições, o ataque (a suposta facada) contra o candidato do PSL - que, diz o jornal, parecem fruto de um roteirista diabolicamente criativo.” Mas a conclusão de tudo isso não é ficção, ressalta: “algumas análises não excluem a possibilidade de Bolsonaro se eleger já no primeiro turno.”  O jornal tinha razão. Por pouco, este ser diabólico não ganha a presidência logo no primeiro turno.

bolsonaro_morte_mestrecapoeira_eleiçõesO que me deixa mais estarrecido, são os evangélicos, que pregam a paz, harmonia, deveriam dar bons testemunhos se debandarem como um bando de fanáticos alucinados pelo que prega o candidato. Violência, racismo, discriminação de minorias, etc. Ululam como animais raivosos com sede de sangue. E já começou a violência. Na noite das eleições, um Mestre de capoeira é morto com 12 facadas após dizer que votou no PT, em Salvador.

Será que Jesus pregava isso? Confesso minha ignorância quase total aos mandamentos bíblicos, mas tenho certeza que não. O quinto mandamento diz: “Não matarás”. Em Ex. 20,13,Jesus disse no Sermão da Montanha: “Ouvistes o que foi dito aos antigos: “Não matarás. Aquele que matar terá de responder ao tribunal”. Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encolerizar contra seu irmão terá de responder no tribunal (Mt. 5,21-22).

Os evangélicos, como disse anteriormente em sua maioria, encamparam a sede de vingança que Bolsonaro quer. Ainda de acordo com o jornal, seu violento discurso dá carta branca à polícia e ao Exército para dispararem contra supostos delinquentes.

E isso a apenas 30 anos após sair de uma tenebrosa ditadura militar, que durou 25 anos e ceifou a vida de milhares de pessoas e “destruiu” psicologicamente outros milhares que lutaram para que os seus pudessem viver num país livre e digno. É revoltante ver que muitos deles, com a bíblia debaixo do braço e aparentando ser uma pessoa digna, se recuse a olhar a verdade, seguindo obcecadamente estes supostos pastores, a grande parte um bando de ladrões, levaram novamente o país ao caos.

Estou cansado, sim, muito cansado desta situação, mas continuarei a luta. Tenho esposa, filhos, netos, sobrinhos (alguns querem o caos), mas de qualquer forma não desejo que passem os que da minha geração passaram. Os da minha geração que tiveram coragem, diga-se!


sábado, 6 de outubro de 2018

“Quem sabe faz a hora, não espera acontecer…”

Por: Eliseu 
Faltando algumas horas para as eleições de 2018 pensei em fazer uma postagem alertando as pessoas de bem que estão sendo enganadas pela mídia golpista e por “pastores” da maioria das igrejas, mas desisti. Vou deixar o vídeo abaixo, que obviamente foi censurado na época, e o autor da letra, Geraldo Vandré, foi completamente “arrasado” pelos que Bolsonaro representa hoje. Fica também a carta do presidente Lula, queiram ou não, melhorou a vida dos mais pobres durante seu governo.

Carta do presidente Lula:
“Companheiros e companheiras
Urna não é lugar de digitar ódio, mas sim esperança. Dia 7 o povo vai decidir o futuro do Brasil votando para Presidente do Brasil, Governadores, Deputados Federais e Estaduais.
De todos os partidos o PT é o que tem a experiência melhor sucedida de governar o Brasil, com a mais forte política de inclusão social.
Por isso vote Haddad para Presidente. Haddad é Lula. Haddad é 13.
Um grande abraço, sem medo de ser feliz.”
Lula.
lula_haddad






segunda-feira, 1 de outubro de 2018

O “coiso” e os supostos religiosos

“Acho que é o momento mais delicado da vida política do Brasil. O 'coiso' é a barbárie, 'o coiso' é negar todos os direitos que nós conquistamos nas últimas décadas” – Presidenta Dilma Rousseff

Por: Eliseu

bolsonaro_coisoNesta perturbante e preocupante campanha eleitoral, onde temos o maior líder mundial mantido preso político, principalmente as mulheres brasileiras adjetivaram Bolsonaro como “o coiso”. Como é da natureza feminina, sempre muito delicadas, costumam “deixar baixo”, acabaram sendo benevolentes com bolsonaro (minúsculo mesmo). Na opinião deste blogueiro o indivíduo citado deveria ser qualificado com algo mais adequado como: demônio,666,besta, diabo, lúcifer belzebu, satanás, ardiloso, capeta, enganador e tantos outros que fica difícil discrimina-los aqui.

Sempre digo aqui que não gosto de me manifestar sobre assuntos pessoais e/ou religiosos. Este blog é essencialmente político! Infelizmente cada vez fica mais difícil separar tais assuntos da política.

Os evangélicos e católicos -em sua maioria- no seu desenfreado fanatismo parece que enlouqueceram de vez. Tenho recebido mensagens absurdas como: “Deus = 4 letras, família = 7 letras – Brasil = 6 letras – Total = 17 letras. Obs. se tirar Deus, fica 13!” E mais um monte de baboseiras que procuram sustentar na Bíblia como “Jair se levantou para defender o povo de Israel, Haddad foi citado duas vezes no mesmo texto como Hadadd e Hadade (sic…)”. Sequer sabem escrever. Entender um texto então… E isto está sendo compartilhado milhares de vezes nas principais redes sociais, em especial no privado do Facebook, e por pessoas que sequer conheço. Uma total falta de respeito por quem deveria dar o bom exemplo. Daí a serem manipulados por pseudo-pastores como os pilantras Marco Feliciano, Edir Macedo, Silas Malafaia, e outros grandes e pequenos  ratos que infelizmente ocuparam cada esquina do Brasil é apenas uma consequência. E uma desastrosa consequência que pode levar o País mais ainda para o caos que se encontra conduzindo-o à uma ditadura impossível de prever a duração. Para os que “esqueceram” a última durou 25 anos. Será que você que apoia “o coiso” pensou nisto? Será que viverá tempo suficiente para aprender a votar?

Hoje vi um texto no Facebook que tomo a liberdade de reproduzir abaixo: 

“Num misto de tristeza, lamento, desesperança, cansaço, sei lá... fui às lágrimas com esse texto:

"Aos meus familiares, amigos e conhecidos eleitores do Bolsonaro.

Quando foi que vocês se tornaram fascistas?
O que é que vocês precisam proteger derramando o sangue do seu irmão?
O que você sente ao imaginar a fala do seu candidato sendo realizada?
O que você sente ao apoiar o extermínio de indígenas, negros e homoafetivos?
Você reza para que seu familiar/amigo/vizinho gay morra em um acidente?
Você empresta seu cinto para que seu vizinho corrija seu filho afeminado com uma surra até a morte?
Você apoia o policial que confunde um guarda-chuva com arma e mata o trabalhador que está apenas esperando os filhos descerem do ônibus?
Qual é o seu papel nessa barbárie toda?
Quem é você na homenagem ao Carlos Alberto Brilhante Ustra?
O que desencapa o fio e dá o choque?
O que sufoca o torturado com um saco na cabeça?
O que leva as crianças pela mão pra assistirem a mãe sendo torturada. Ou o que alimenta os ratos que o torturador colocará nas genitais de mulheres? O que você sente ao imaginar isso? De que ângulo você mais gosta de assistir isso?
Quem é você no futuro educacional das crianças?
O que ensina elas a fazerem sinal de arma com as mãos ?
O que vota pelo congelamento dos investimentos na educação?
O que as mulheres representam pra você? E você mulher eleitora desse candidato o que você é?
Uma fraquejada?
Mão de obra barata?
Uma vagabunda incompetente?
Uma fábrica de criar desajustados?
O que te faz se conectar com um ser humano que quer o seu extermínio? Que pulsão de morte é essa?
O que te faz se sentir um ser superior e apoiar o extermínio das minorias (Nas quais você certamente está inserido)
Que parte de você se conecta com tanta violência, desumanidade e ódio?
Você vai dormir tranquilo dando o cargo de maior poder do seu país a um desajustado, incapacitado e violento que o que mais deseja é derramar sangue?
Eu pergunto a você meu familiar, amigo e conhecido eleitor desse sujeito. Aonde foi que você perdeu a humanidade?

By Polly Valéria"

ditaduraApenas lembrando aos desavisados e ignorantes da história recente que o Coronel do Exército Carlos Alberto Ustra, também conhecido pelo codinome de Dr.Tibiriçá, foi  chefe do DOI/CODI do II Exército de 1970 a 1974 sendo considerado o líder das torturas na ditadura militar. Que raios de candidato é esse que vocês, evangélicos e católicos fanáticos (existem raras exceções, é bom lembrar), apoiam? Sei que dificilmente lerão esta postagem, até pela dificuldade natural em interpretar um simples texto, portanto, mais difícil ainda lerem o post intitulado Conversas com Mr. DOPS. Dá uma “palinha” do que foi a última ditadura no Brasil. Pode acessar clicando no link em azul, ou aqui!

Deus ensina a torturar? a homofobia? o extermínio de índios? maltratar mulheres? Será que já não passou da hora de vocês reverem seus conceitos? Não sou religioso, mas até onde sei, Deus ensina exatamente o contrário. “Amai-vos uns aos outros”.

Fica aqui minha tristeza por ter tido a infelicidade de nascer e viver num País de pessoas tão ignorantes. Em todos os sentidos.

Com todo meu respeito a familiares e amigos evangélicos, reitero novamente que existem exceções, raras, mas existem!


domingo, 16 de setembro de 2018

Exclusivo: professor Sivaldo Souza fala sobre o fluxo migratório venezuelano em Roraima

venezuelanos brasil
No: ContextoLivre

sivldo_souzaSivaldo Souza Silva é Doutorando em Engenharia e Saúde Ocupacional pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto/Portugal, Mestre em Tecnologia Ambiental pela Associação Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco (ITEP), Especialista em Comércio Exterior pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e Graduado em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Federal de Roraima. Vice-líder do grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Saúde, Engenharia e Matemática (GPISEM) em cadastramento no CNPQ; tem experiência nas áreas de Matemática, Estatística, Ambiental, Saúde Ocupacional e Elaboração de Projetos de viabilidade econômico-financeiro.
Sivaldo Souza é candidato a deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT-RR) e fala, com exclusividade, ao ContextoLivre sobre a situação do fluxo migratório venezuelano no estado de Roraima e sobre as implicações que esse fenômeno político-social e econômico representa para a sociedade roraimense.

ContextoLivre – Estima-se que Roraima abriga cerca de 70 mil venezuelanos, o que corresponde a 20% da população do estado. O estado tem estrutura para comportar tantos imigrantes?

Prof. Sivaldo Souza – Infelizmente, o estado de Roraima não está estruturado para receber, num curto espaço de tempo, tantos imigrantes venezuelanos – diga-se, de passagem, que também recebemos imigrantes da Guiana ainda que em menor escala. Na verdade, pelo porte, pela infraestrutura na área de saúde, na área de educação, esse percentual corresponde a, mais ou menos, 15% da população. Esse número significa um acréscimo muito grande num lapso muito pequeno de tempo. A solução, para desafogar a estrutura de suporte à saúde, à educação, à moradia, e de infraestrutura como um todo, deve ser, realmente, uma política de transferência e redistribuição desse universo populacional de imigrantes venezuelanos para outros entes da federação, porque o estado não tem estrutura para comportar esse fluxo migratório vindo do país vizinho.

Roraima tem um plano de desenvolvimento para lidar com esse fluxo?

– Roraima não tem um plano de desenvolvimento para um evento desse porte. Na verdade, poderia até dizer que, se existisse um plano, esse fluxo migratório seria até benéfico porque incorporar na economia mão de obra com muita qualificação profissional – há venezuelanos muito qualificados – que não custou nada para o estado. Roraima é um estado cujo tamanho em termos de área territorial é enorme. Então, do ponto de vista geográfico, o estado comporta um acréscimo na população. Mas, para isso, é necessário ter um plano de desenvolvimento e, nesse plano de desenvolvimento, deveríamos olhar para a Venezuela como um momento de oportunidade e não como um problema, já que o PIB da Venezuela é muito maior do que o do estado de Roraima. Então, se se incorpora mão de obra qualificada e se tem um plano de desenvolvimento que leve em consideração os arranjos produtivos locais, teríamos um momento de oportunidade extraordinário. É necessário, dessa forma, repensar essa política de análise de imigração. Entretanto, para isso, o estado teria de possuir um plano de desenvolvimento que contemplasse não apenas a capacidade de exportar e importar para a Venezuela, mas também levar em conta que há outro país que faz fronteira com o Roraima, que é a Guiana. Tanto a Venezuela quanto a Guiana poderiam ser duas bases de exportação e, para isso, é fundamental resolver outra questão do estado que é a segurança energética. Esse problema energético possui várias soluções, mas o Brasil optou pela confrontação e não pela cooperação. A questão energética de Roraima, por ser o único estado do Brasil que não está interligado ao sistema elétrico nacional – Sistema Interligado Nacional (SIN) – é muito grave, pois dependemos da energia produzida na Venezuela e, nesse momento, a central elétrica de Guri está com problema em sua manutenção e a crise venezuelana está se agravando. Uma política inteligente seria basicamente o que foi feito com o Paraguai: participamos da construção de Itaipu e colaboramos para desenvolver o Paraguai. Esse país faz fronteira com o Brasil, tem fluxo migratório, porém, como há desenvolvimento dos dois lados, não são vistos problemas como os que se veem hoje na relação Roraima-Venezuela. Deveríamos trabalhar para recuperar a economia venezuelana, fazendo uma interação com a nossa economia e, aí, eu incluiria também a Guiana. Com esse país, teríamos a opção de um porto de águas profundas que serviria de ponto de exportação para nossos produtos agropecuários. Quer dizer, esse momento poderia ser visto como um momento de oportunidade, mas o estado não tem um planejamento, e o Brasil, também, nos últimos dois anos, acabou com o que tinha de plano crescente de desenvolvimento.

Como o estado pode se beneficiar desse fluxo e quais seriam os caminhos para isso?

– Sim. O estado pode e deveria se beneficiar desse fluxo migratório. Como eu já coloquei, a Venezuela tem um PIB enorme, tem uma natureza belíssima, é um país dotado de um potencial turístico enorme, possui um setor hoteleiro muito grande, e nós temos, no estado de Roraima, uma população de apenas 500 mil habitantes. O estado precisa aumentar sua população, porque o desenvolvimento necessita também de mais mercado consumidor. Um estado cujo tamanho corresponde, por exemplo, ao Reino Unido, é um estado que precisa ser mais povoado. E a forma de se beneficiar desse fluxo migratório é levar em conta a grande quantidade de mão de obra qualificada, analisar os arranjos produtivos locais, ver que nós temos uma grande potencialidade no setor agropecuário, no setor da agroindústria e temos um grande potencial turístico. Podemos ser, também, um polo de desenvolvimento de produtos de alta tecnologia para exportação, porque estamos a uma pequena distância do maior mercado consumidor mundial, que é os Estados Unidos. Por outro lado, temos, também, todo o Caribe aqui perto do estado de Roraima. Agora, o estado não tem população nem mão de obra qualificada suficiente, ao passo que a Venezuela possui uma parte dessa população, que já está em Roraima, com muita qualificação, buscando qualquer forma de sobreviver por conta da crise. Seria necessário, na verdade, repensar essa questão do fluxo migratório, essa política de imigração, mas, para isso, teria que ter um plano de desenvolvimento para o estado. Infelizmente, o que se vinha construindo de política de desenvolvimento para a região, quando o Michel Temer assumiu o poder, ele foi para uma outra linha de ação que foi basicamente de confrontação, de subserviência aos Estados Unidos, ideologizou algo que deveria estar no plano econômico. E aí a situação do estado se agravou. Quanto à questão energética de que já falei, teríamos de interligar Roraima ao sistema elétrico nacional ou então investir na manutenção da central elétrica de Guri, que abastece 10 dos 15 municípios de Roraima, incluindo Boa Vista; trabalhar a questão de energias alternativas por conta das grandes distâncias que se têm em relação às áreas mais afastadas, mais rurais. Deveríamos nos aproveitar desse fluxo migratório de outra forma. Estamos perdendo um momento importante para o desenvolvimento do estado de Roraima.


mundo-imigrantes-venezuelanos-expulsosHá grande insatisfação da população roraimense com a presença de venezuelanos. No mês passado, moradores do município fronteiriço de Pacaraima atacaram e expulsaram alguns imigrantes. Considera esse um ato xenófobo (crime previsto no artigo 20 da Lei Federal 7.716/89)?

Hoje, há uma insatisfação da população com o grande fluxo migratório de venezuelanos. Mas eu não consigo enxergar o estado, o seu povo em sua maioria, como tendo características xenófobas. Na verdade, Roraima é uma grande mistura de povos. Temos gente de todos os estados da federação e até pouco tempo atrás esse convívio, entre roraimenses e venezuelanos, era natural. Venezuelanos moravam em Roraima, roraimenses moram na Venezuela. Agora, o Brasil passa por um momento político muito especial que permite que uma pequena parte da população se porte como xenófobo, com um comportamento mais hostil contra os imigrantes. Esse percentual é xenófobo mesmo, intolerante. Relativamente ao caso de Pacaraima, considero que vários fatores contribuíram. A cidade tem em torno de 10 mil habitantes com 1.200 imigrantes vivendo na rua ou em abrigos, alguns mais ou menos estruturados, outros improvisados. O acréscimo é muito grande para uma cidade que não tem o suporte para dar atenção a essa população. O fato concreto é que não há entendimento entre o governo federal e o estado, além de interesses políticos em acirrar os ânimos. Alguns agentes políticos, que dominam a política do estado, querem, de alguma forma, uma confrontação. Essa confrontação tem a ver com a busca de votos e aí se jogam os habitantes uns contra os outros. Como não há um controle no fluxo migratório, pessoas de diversas índoles estão entrando no país, entre esses imigrantes, evidente, há aqueles que não têm um comportamento decente enquanto cidadão. E, em Pacaraima, o acréscimo de crimes diversos – furtos, roubos, latrocínios – recai sobre os venezuelanos. Isso vai se agravando e aí você pega algumas pessoas que usam essa situação para incendiar a população e aconteceu o que se divulgou em rede nacional. Mas, reafirmo, não considero que a maioria da população seja xenófoba. Há uma insatisfação porque o estado não suporta o fluxo migratório e não se planejou. O governo federal deveria dar suporte para o estado, porque Roraima não teria condições financeiras de comportar um acréscimo tão grande na população. Mas tudo vira um jogo político e não uma política social, uma política humanitária, uma política de desenvolvimento.

O poder público estadual é responsável por tratar do problema do fluxo migratório venezuelano ou essa é uma questão que diz respeito, exclusivamente, à esfera do governo federal?

– O fluxo migratório, neste caso, é uma política entre países. Mas como acontece pela fronteira de Roraima, o estado também participa, embora todo o controle na fronteira deva ser feito por instituições federais (Polícia Federal, Receita Federal e a Guarda Nacional quando for destinada para esse fim). Agora, a partir do momento que entra no Brasil, passa a ser, também, um problema do estado de Roraima. Essa ação deveria ser uma ação conjunta envolvendo as nações (Brasil, Venezuela), o ente federativo (Roraima) e a própria ONU. O grande desafio é que, em termos nacionais, o Brasil optou por não buscar soluções negociadas para minimizar essa questão. O Brasil optou por buscar a confrontação. O governo estadual, por outro lado, tem um problema de gerenciamento, um problema próprio do estado que é não ter se preparado para essa situação. Esse fluxo já vem acontecendo há algum tempo, só chegamos a um volume considerável agora, mas não é recente. Então, você tem a ausência de agentes políticos, tanto do estado como do governo federal, e aí deixam o problema se avolumar esperando que as coisas se acomodem. Entretanto não se tem um mercado consumidor que consiga acomodar esse contingente de imigrantes sem uma política de investimento na infraestrutura, na capacidade de atendimento nas áreas de saúde, de educação, de moradia, enfim, um planejamento de desenvolvimento capaz de incorporar essa mão de obra migratória. Dessa forma, vejo como um jogo de “perde-perde”. O estado de Roraima e a União são dois agentes que não estão correspondendo ao momento histórico, não estão à altura do problema, não dialogando de forma construtiva. Então, é um problema que ainda vai demandar um tempo para ser resolvido.

A mídia corporativa brasileira tem dado destaque à Venezuela como sendo uma ditadura levada a ferro e a fogo por Nicolás Maduro. O senhor concorda com a veiculação dessas informações?

– Não concordo que a Venezuela seja uma ditadura. Na realidade, se observamos a história da Venezuela, constataremos que o país costuma respeitar às regras democráticas. Agora, a mídia brasileira registra os fatos, deturpando-os inúmeras vezes, conforme sua conveniência ideológica e de conluio com certa política de alinhamento com os interesses dos EUA e de certo segmento político brasileiro. Para grande parte da mídia corporativa brasileira, alguns são aliados, e outros não, ao sabor da conveniência discursiva e de benefícios financeiros que o apoio das pouquíssimas famílias que controlam o setor midiático brasileiro pode auferir. Os interesses são abjetos, são escusos. Portanto, a discussão não se circunscreve ao fato de a Venezuela ser ou não ser ditadura. Jamais se ouviu falar que alguns países muçulmanos ou africanos são uma ditadura pela mídia brasileira, porque para ela é conveniente não noticiar isso. A Venezuela tem um presidente democraticamente eleito. O processo democrático seguiu seu rito. Alguns países questionam, porém, quando se faz uma análise mais profunda, perceberemos que essa veiculação de que a Venezuela é uma ditadura está plantada em interesses econômicos maiores num um xadrez geopolítico que tem como protagonista os EUA. Garanto que, se a Venezuela não tivesse tanto petróleo, eu diria que essa discussão seria relegada à margem de fatos noticiosos sem nenhuma importância para as grandes nações que necessitam desses recursos naturais, principalmente os EUA. A mídia falseia a verdade. Em função desse panorama de pressão externa e com as sucessivas tentativas de golpe contra Nicolás Maduro patrocinadas pelos EUA, a democracia, sem dúvida, começa a se enfraquecer. O fato é que não há na Venezuela lideranças que façam o contraponto ao atual presidente. Podem-se questionar os problemas advindos da gestão de governo, da condução de política econômica, mas jamais dizer que na Venezuela existe uma ditadura, como a mídia insistentemente tem propagado de maneira falseadora e criminosa do ponto de vista de um jornalismo sério e imparcial que se espera.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Bolsonaro esfaqueado! ???

Por: Eliseu 

bolsonaro_esfaqueadoQuem visita meu blog, vê logo que sou PT. Sou sim filiado ao PT, mas meu blog é independente. Não recebo um centavo de ninguém, e escrevo o que quero. Portanto, todas as postagens, e em especial esta, é opinião exclusivamente pessoal deste blogueiro.

Hoje, creio que todos brasileiros sabem de cor e salteado que o homofóbico Jair Bolsonaro, foi esfaqueado por um maluco em Juiz de Fora/MG, e que se encontra em estado grave na UTI de um hospital da cidade. Este episódio lembrou-me imediatamente da “bolinha de papel”, que envolveu o então candidato tucano Jose Serra em São Paulo.

Não estou afirmando que o homofóbico candidato e meu “apreciador” - uma vez que fez um site exatamente com o nome do meu blog, com a mesma url - (apenas a extensão é .org), simplesmente porque não pode haver duas url’s exatamente iguais, não tenha sido atingido por uma facada. Mas quem o acompanha que o compre. Sabe bem do que esse ser é capaz de fazer para conquistar o poder.

Entretanto, se o candidato (me dá repulsa falar ou escrever o nome desse ser repugnante),tenha sido mesmo atingido pela facada, fica uma  uma pergunta: algum cidadão de bem, um trabalhador comum ao receber também uma facada de um ladrão, o que acontece diariamente,teria um atendimento tão rápido, com viaturas para socorre-lo, e ao chegar ao hospital teria nada menos que cinco cirurgiões e dois anestesistas à sua disposição? Um CTI então…

Sei que nas redes sociais todos são “perfeitos”. Todos lamentam quando ocorre algo de ruim (desde que seja de alguém famoso). Porém este blogueiro que vos escreve é apenas ele mesmo. Um ser humano imperfeito, cheio de defeitos e sei que serei criticado por muitos “perfeitinhos” por ai. Mas fica aqui minha opinião pessoal.

Não querendo incentivar a violência, mas já incentivando, pois não acredito que se resolva nada mais neste país de forma pacífica, digo que inicialmente não acredito que o homofóbico candidato tenha sido atingido, pelo menos com a gravidade que está sendo veiculada na TV. Mas se realmente foi, fica meus parabéns ao “maluco” que o atingiu e meus votos para que o ferimento seja bem mais grave do que o noticiado. Quero mais é que esse sujeito morra.

Quem terá sérios problemas será o capeta!

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

PagSeguro é fraude!

Por: Eliseu

pagseguro_fraudeO PagSeguro é uma empresa fraudulenta! Não poderia ser diferente uma vez que faz parte do grupo Abril, Folha, Uol, e outras da odiosa famílgia Civita, que pouca diferença faz da famiglia Corleone, comandada pelo fictício Don Vito Andolini Corleone.

E digo isto, apesar de já ter dito diversas vezes que meu blog não é para desabafos pessoais, mas um assunto que está me afetando e com certeza milhares de pessoas Brasil afora.

Minha esposa comprou cinco “Moderninhas”, suposta máquina para passar cartões de crédito e débito da PagSeguro, todas com garantia de cinco anos. Pois bem: as cinco deram defeito de uma só vez. Os chip’s da operadora não funcionam. Com isso, claro, elas também não passam os cartões, ou seja, de nada valem.

Após muita “luta” para fazer os despreparados atendentes entenderem o que estava acontecendo, me pediram prazo para envio de três chip’s. O defeito era em cinco porcarias que insistem em dizer ser “Moderninhas”. Após vários dias chegaram dois chip’s. Veio menos um, ou melhor,três. A conta é simples de ser feita. Nenhum deles funcionou. Continua sem as “Moderninhas”.

Liguei dizendo que continuava tudo igual e, após ficar a tarde toda pendurado ao telefone, a atendente, na maior cara de pau me disse: “vamos enviar novos chip’s, está bem?”. A resposta foi simples: NÃO! Pedi que respeitassem a lei e ela devolveria as porcarias, digo, “Moderninhas”, o que não foi aceito. Agora o caso vai para a justiça. Danos morais e materiais. Antes, resolvi alertar os leitores para que não caiam nas garras de mafiosos profissionais.

Não pode estar bem. Quem vai ficar com o prejuízo da minha esposa? Uma rápida olhada no respeitado site Reclame Aqui se vê que esse projeto de empresa tem nada menos que 25.521 reclamações. Isso mesmo. Mais de vinte e cinco mil reclamações.

folha_ditadura_mafiaNo início deste post me referi à famiglia, porque é uma família que controla boa parte da mídia golpista deste país. Os que viveram e acompanharam os “anos de chumbo”, da ditadura militar certamente se lembram como A Folha era parceira do DOPS, chegando ao ponto de emprestar veículos caracterizados da Folha para facilitar o DOPS prender os que não reconheciam o “regime”.

Fica o alerta!